O prefácio da história da dança

A dança é uma forma de arte cênica caracterizada por sequências de movimento do corpo humano realizadas com intuito estético e simbólico. Por ser uma das mais básicas formas de expressão artística, a dança tem origens milenares.

A história da dança é difícil de ser traçada porque o ato de dançar raramente deixa vestígios históricos como monumentos ou pinturas. Historiadores não identificaram com precisão exata o momento em que a dança definitivamente se tornou parte de nossa cultura.

História da dança

Apesar disso, arqueólogos conseguiram identificar traços de dança em registros pré-históricos, como nos abrigos na Rocha de Bhimbetka, pinturas rupestres datando de 30.000 anos, além de pinturas em tumbas egípcias feitas em torno do ano 3.300 A.C. retratando figuras dançantes. A dança também foi utilizada como forma de ritual religioso, como a dança da chuva.

As primeiras manifestações de dança podem ter se originado da necessidade humana de cooperar para sobreviver. Estudos recentes encontraram genes prevalentes em dançarinos profissionais associados à boa comunicação social.

A herança dos antigos

História da dançaO início da história da dança como expressão artística estruturada aconteceu na Grécia Antiga. Os gregos transformaram a prática em uma forma de expressar seus mitos, como por exemplo a dança das Erínias, aterrorizante para qual fosse o espectador.

A Ilíada, de Homero, foi responsável por introduzir o termo choreia (χορεία), radical da palavra ‘coreografia’. Aristóteles, entre seus virtuosos textos, compara a dança à poesia, afirmando que dançarinos eram capazes de expressar paixões, emoções, comportamentos e ações.

Na China, a dança possui uma longa história. Danças tradicionais pautadas em movimentos dos braços são realizadas até hoje. A prática alcançou seu ápice durante a dinastia Tang, posteriormente mesclando-se à ópera.

Na Índia, a história da dança foi registrada pelos antigos através do manuscrito Natya Shastra. Os indianos desenvolveram ritmo sofisticado e dançavam em cerimônias desde tempos antes de Cristo. Com o tempo, porém, a dança foi reduzida ao status de vulgar, sendo comumente praticada por cortesãs. Isso resultou na associação da dança à prostituição pelos colonizadores ingleses, que acabaram por proibir a prática da dança no país. A decisão foi controversa. Quando Gandhi liderou a Índia à sua liberdade em 1947 com sucesso, a dança renasceu no país de maneira triunfante, com um novo rosto, sem abandonar o classicismo do passado.

Passo a passo

História da dançaO balé surgiu como forma de entretenimento e celebração em casamentos nas famílias aristocráticas italianas, durante a época do Renascimento. O balé em seus primórdios era uma adaptação das danças tradicionais da corte, com raízes seculares, sendo uma mistura de arte, política e socialização, com o principal objetivo de exaltar o Estado. Na França, com o início do governo de Catarina de Médici, o país entrou em uma era dourada de produção cultural, e o ballet de cour foi importado da Itália.

A partir do século XVIII o balé foi incorporado na Ópera de Paris. Durante esta época, o balé evoluiu e se tornou uma forma de arte individual, desassociando-se de seus cunhos externos. Este momento marcou a história da dança, tornando-se uma arte em si: dançarinos abandonaram suas máscaras, expressando suas emoções com vivacidade, criando apresentações teatrais enraizadas no sentimento e expressão.

A ousadia dos modernos

História da dança

Durante a explosão do pensamento modernista no século XX, a dança, firmemente associada ao balé clássico, sofreu também sua ruptura das estruturas antigas. A dança moderna surgiu como forma de rebelião contra o balé, valorizando novos conceitos de estética e dando luz à dança livre e à dança expressionista. Tutus e sapatilhas foram abandonados em nome da liberdade de movimento. A história da dança, assim, ganhou novamente um importantíssimo marco.

Posteriormente, durante a década de 1960, a arte como um todo sofreu mais uma revolução, o pós-modernismo, voltado à simplicidade e à beleza das coisas pequenas. Porém, a dança sem suas decorações, histórias e fantasias não resultava em espetáculos de sucesso. Poucos anos depois, a dança assumiu novamente a extravagância de estilo junto à coreografia. O balé passou a coexistir com as performances pós-modernas, assim como as danças de salão.

Na dança contemporânea, pode-se destacar a influência do street dance e do breakdancing, seguindo a evolução da música. Hoje, na sociedade globalizada, a dança é dotada de uma variedade imensa de influências culturais e estilísticas.

Verde e amarelo

A história da dança no Brasil, por ser um país de grande diversidade cultural, com muitas origens e influências étnicas, apresenta uma mistura de estilos em suas tendências. Assim como os indígenas contribuíram com suas danças ritualísticas primitivas, os jesuítas trouxeram a tradição da performance teatral.

Brasileiros também importaram o balé nos séculos XVIII e XIX, assim como as tendências modernistas posteriores. Hoje, o Brasil conta com inúmeros estilos de dança, trazidos do exterior e mesclados com tendências rítmicas nacionais. Destaques são o samba, o forró, o cha-cha-cha, a gafieira, o axé, o bolero e o funk.

Fontes:

http://www.panhistoria.com/www/AncientEgyptianVirtualTemple/music.html

https://www.livescience.com/619-survival-dance-humans-waltzed-ice-age.html

http://michaelminn.net/andros/biographies/de_medici_catherine/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Dança_do_Brasil

Dança Brasil com Ana Botafogo e Carlinhos de Jesus

Translate »